Retrospectiva 2016

01:15

Vamos começar 2017? Ano novo, vida nova?


Bom 2016 foi um ano de transformação para mim, sempre que posso comentar por aqui toda essa revolução eu comento.
Do quanto foi bom cortar o cabelo e desapegar das madeixas longas, de como foi difícil aceitar que sai do meu emprego, como foi bom dar início a minha carreira de fotografa e investir nisso. E do meu estagio em uma empresa que admiro muito <3.
Meu ano de 2016 foi uma montanha russa tremenda, prometi para mim mesma, que seria tão verdadeira e não aceitaria mentiras e coisas ruim para minha vida no ano de 2016, e realmente consegui. Digo isso nem tão orgulhosa, mas consegui atingir minha meta principal.
Perdi muitos ‘’amigos’’ me afastei de pessoas e familiares que hoje não faço questão de ter por perto. Eram verdadeiras toxinas para mim. Ao invés de elogiar só me colocavam para baixo ou me faziam sentir se mal. Me sinto bem por isso, mas não orgulhosa. Sei que isso me fez muito bem de um certa forma.

Livrai-me de tudo que me trava o riso.

O ano seguia e as provas e trabalho da faculdade aumentavam a cada dia, algumas trabalho de fotografia me deixando lotada de coisas para fazer. Me fazendo ser melhor a cada dia e não me deixar falhar. Tudo tem que sair perfeito! Tudo vai ser perfeito.
Sou assim, me cobro demais. Preciso fazer tudo. Mas via que quando mais era ótima em algo, me deixava falhar em outras coisas.
Enquanto me sentia perfeita em conseguir terminar trabalhos nas datas, eu não era mais aquela menina que passava horas na frente do espelho se arrumando, fazendo um penteado diferente, passando uma maquiagem para esconder as olheiras ou experimentando roupas que realmente fazem meu estilo. Também esqueci do quando me sentia bonita, parei de fazer selfies ou fotografar coisas que eu antes amava.
Nessa época, para mim tanto faz, como tanto fez ter uma foto nova no Instagram ou uma nova postagem no Facebook. E o blog? Ah nem lembrava mais, não sentia a necessidade de compartilhar mais nada, não tinha vontade de fazer exatamente nada.
Nesse período eu tinha muito sono, e quando me frustrava de algo chorava muito. E por vezes o motivo era pequeno ou era algo que me tinha me machucado a tempos.
Foi então que no final do ano, essa bola de neve só aumentou com a pressão de ser efetivada no estágio, precisava passar de semestre, meus trabalhos deveriam ser todos entregues antes do ano acabar.
Eu era um zumbi vivo, e parecia uma mendiga. Usando a primeira calca jeans que via na frente e uma camiseta que me sentia bem e confortável.
Aquela ali não era eu, aquela ali não era a Daniela que eu conhecia. Por alguns momentos achava que era o começo das minhas responsabilidades, uma prova da vida adulta que estava começando.
Sentia medo dessa fase, Medo que me fazia chorar, medo que me fazia não querer sair para lugares que gostava de ir. O tanto faz era a opção e a rotina continuava. O meu maior medo era perder minha mãe, não ter minha família mais, não ter almoços em família nos finais de semana, sonhava somente com coisas ruim como ser atropelada, com meus avos ... enfim somente desgraça.
Por uma semana minha comida foi isotônico e de vez em quando salgadinho de batata.  Até que chegou ao ponto em que eu não conseguia sentir o cheiro da comida e comecei a não comer mais. Não sentia fome, somente medo.
O vomito já era quase normal nos meus dias, perdi 5 a 6kg. Minha barriga estava totalmente chapada, seca. Não me conhecia mais, não conseguia me controlar, não era eu naquele corpo. Tentava comer mas não conseguia. Andava corcunda pela casa e se caminhava tudo rodava.
Me vi incapaz,
Sou dura na queda, e odeio ir para hospital/medico ... mas era a única opção.
Soro na veia por desidratação, remédios para tomar em casa sendo que um deles era antidepressivo. Diagnosticada com pânico e ansiedade. Oh resto de 2016 ótimo em.
Meu chão caindo em: 3,2,1
Nunca que imaginaria que estaria passando por uma situação dessas.
Lembro que enquanto tomava soro, chorava por estar com depressão, por ser ingrata de tudo que tinha e ainda estar com essa doença maldita que eu sempre pensei que fosse algo de não ter o que fazer, algo de fingimento das pessoas. Mas eu passando por isso? Impossível! Eu sou feliz não posso ter isso, não vou tomar nenhum remédio em que eu fique dependente pro resto da vida.
Ao mesmo tempo que pensava isso, eu queria melhorar, me tratar. Ser aquela Daniela de antes. Que fazia o que amava, que não se cobrava tanto, que não pensava no julgamento.
Comecei o tratamento, e a data prevista para terminar com tudo isso é em dezembro deste ano ou antes se tudo der certo e sei que vai.
Vou conseguir com a ajuda medica, da minha família, meus amigos e principalmente a minha!
Depressão é uma doença e existe tratamento, basta você querer sair dessa.
  Me estendi demais no texto de hoje. Depois de um tempo abandonado, o blog dá início a uma nova fase, uma nova Daniela.
Senti na necessidade de falar um pouco da minha vida pessoal para vocês, pois se alguém ou ate mesmo você estiver passando por isso e ler que não está sozinho, que tem pessoas passando pela mesma situação e não é a primeira nem a última. Sinta-se a vontade de falar comigo, falar como é ou foi seu tratamento.
Tudo é muito novo para mim, e na internet não tem informação que ajude ou incentive pessoas a sair dessa. Se eu ajudar uma pessoa vou estar imensamente feliz. Pois esse sim é meu real ‘’trabalho’’ aqui no blog. Ajudar.
 Desculpa o imenso texto, mas precisava abrir meu coração, e ser tão real quanto.
Que comece 2017!

  

You Might Also Like

0 comentários

Subscribe